Senado Federal Senado Federal

Em sessão especial, produtores de eventos mostram otimismo com retomada

Nos 30 anos da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape), comemorados em sessão especial remota do Senado nesta segunda-feira (2), o...

02/05/2022 20h50
Por: Redação Fonte: Agência Senado
Jefferson Rudy/Agência Senado
Jefferson Rudy/Agência Senado

Nos 30 anos da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape), comemorados em sessão especial remota do Senado nesta segunda-feira (2), os debatedores manifestaram uma perspectiva positiva de retomada do setor, duramente afetado pelas medidas de controle da covid-19, e destacaram a importância da entrada em vigor do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse).

O requerimento de sessão especial (RQS 280/2022), de autoria da senadora Daniella Ribeiro (PSD-PB) e apoiado por outros seis senadores, menciona a aprovação da Lei 14.148/2021, “que buscou mitigar os danos que a pandemia impôs aos profissionais do setor e a suas famílias, proporcionando-lhes ferramentas para a retomada de seus negócios e ajudando a retomada da economia do país”. Daniella, que relatou o projeto de lei no Senado, acrescenta que a Abrape foi fundamental para a mobilização do Legislativo em favor do setor durante a pandemia.

Aprovado em 7 de abril de 2021, o Perse — que parcela débitos das empresas dos setores de eventos e turismo com o Fisco e determina outras medidas para compensar a grande perda de receitas — tinha sido sancionado com 26 dispositivos vetados pelo presidente Jair Bolsonaro, sob o argumento de "contrariedade ao interesse público e inconstitucionalidade”, mas os vetos foram derrubados pelo Congresso em 17 de março deste ano.

Daniel Moraes de Miranda Farias, diretor jurídico da Abrape, expressou seu entusiasmo com a retomada do setor de eventos depois da covid-19. Ele sublinhou que o período de pandemia aumentou a união entre as empresas de eventos, circunstância em que a Abrape cresceu “absurdamente”.

Foi o único setor da economia brasileira que "resetou", cujo faturamento foi ao zero, mas que sobreviveu. Estamos com sequelas ainda, mas estamos vivos e vamos retomar nossas atividades com a máxima velocidade possível — avaliou.

Farias ainda cumprimentou o Congresso pela aprovação do Perse, legislação que considera essencial para salvaguardar a retomada dos produtores de eventos.

No mesmo sentido, Mariela de Abreu Souza Benassi, diretora de Secretaria da Abrape, saudou a importância do Perse como forma de apoio do Legislativo a milhões de trabalhadores que enfrentaram um momento “trágico”, mas lembrou que ainda há muito a ser feito:

Vamos continuar precisando do apoio de vocês nesse tempo de retomada para esse setor, que também vai ser um marco para a saúde mental da população pós-pandemia. O Brasil precisa do nosso setor ativo para voltar a ter alegria, com geração de empregos e tantas outros benefícios.

O presidente da Abrape, Doreni Isaias Caramori Júnior, saudou, entre outros, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que assegurou a tramitação do Perse com a rapidez necessária. Para ele, a medida faz o setor voltar “não de joelhos, mas em pé”, em condição de pagar as dívidas acumuladas durante a pandemia, e representa o resultado da força do associativismo.

[O setor de eventos] não conseguia entrar nesta Casa, era marginalizado, e hoje tem condição de liderar o único programa efetivo setorial de mitigação dos impactos da pandemia: um programa do setor de eventos, realizado e liderado por esta entidade, que, 30 anos depois, consegue entregar algo concreto e extremamente benéfico aos nossos associados — definiu.

O deputado Ricardo Silva (PSD-SP) concluiu cumprimentando o deputado Felipe Carreras (PSB-PE), autor do projeto do Perse, e saudou a retomada do setor que “está voltando, com seus CNPJs, a manter muitas vidas em seu CPF.”

O presidente da sessão especial, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), abriu os trabalhos chamando atenção para a contribuição da Abrape para a economia e a cultura do país: segundo dados que apresentou, somente os eventos de negócios presenciais representavam, em 2019, uma fatia de 4,6% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, com reflexos positivos em outros ramos de atividade. Nelsinho também lembrou a participação do Congresso a favor dos produtores de eventos através do Perse.

Com as ações ali propostas e os recursos previstos, temos buscado mitigar os danos que a pandemia impôs aos profissionais do setor e às suas famílias, promovendo meios para reerguer os negócios nesse âmbito e prestando, assim, uma ajuda significativa para a retomada da economia do país — resumiu.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias