Saúde Amazonas

Saúde encerra investigação de casos de doença de Chagas, em Amaturá

A investigação do Governo do Amazonas sobre os casos de doença de Chagas foi encerrada, nesta terça-feira (10/05), em Amaturá.

10/05/2022 18h35
Por: Redação Fonte: Secom Amazonas
Foto: Reprodução/Secom Amazonas
Foto: Reprodução/Secom Amazonas

Foram confirmados 14 casos da doença no município

A investigação do Governo do Amazonas sobre os casos de doença de Chagas foi encerrada, nesta terça-feira (10/05), em Amaturá (a 909 quilômetros de Manaus). Foram confirmados 14 casos da doença após o consumo de suco de açaí de fabricação artesanal. Os casos foram registrados entre os moradores da comunidade Caturiá III, no município. Não há internados e os pacientes estão clinicamente bem.

Técnicos da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM), por meio da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP) e da Fundação de Medicina Tropical – Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), estão em Amaturá desde o dia 6 de maio e retornam, a Manaus, nesta quarta-feira (11/05).

“Parabenizo o trabalho da Fundação de Vigilância em Saúde em identificar a origem da contaminação. Agora, com a disseminação controlada, reforçamos o pedido à população para que redobre os cuidados com o preparo do açaí. Continuaremos vigilantes a qualquer nova contaminação. E os técnicos permanecem à disposição dos municípios para controle da doença”, afirma o secretário de Estado de Saúde, Anoar Samad.

De acordo com a diretora-presidente da FVS-RCP, Tatyana Amorim, o sucesso da investigação se deve à identificação rápida dos primeiros casos e, também, da atuação da equipe multidisciplinar dos profissionais de saúde, durante todos esses dias.

“A equipe da gerência de controle de endemias de Amaturá e a do Governo do Estado trabalharam de forma bastante coesa. Em tempo oportuno, foram realizadas todas as fases da investigação, sendo possível fechar o surto de maneira satisfatória”, afirma Tatyana.

Os profissionais de saúde da FVS-RCP e FMT-HVD realizaram a recoleta de exames, entre eles o da gota espessa e eletrocardiograma; análises laboratoriais das amostras e análise clínica dos pacientes, além de coleta entomológica de insetos triatomíneo, conhecido popularmente como “barbeiro”, que transmite, por meio de fezes, o protozoário parasita Tripanossomo cruzi, agente causador da doença.

Segundo o chefe do Departamento de Vigilância Ambiental (DVA) da FVS-RCP, Elder Figueira, os atendimentos rápidos in loco fizeram a diferença na investigação. “O fato de termos a equipe treinada e montarmos, rapidamente, uma parceria com a FMT foi essencial para que o atendimento local dos moradores, caso a caso, inclusive fazendo revisão de exames já descartados”, afirma Elder.

Casos

Os 14 casos confirmados de doença de Chagas foram identificados na comunidade Caturiá III, zona rural de Amaturá. Ao todo, 34 moradores consumiram o suco de açaí, produzido artesanalmente, na comunidade.

Até a manhã de segunda-feira (09/05), 12 casos tinham sido confirmados e 22 descartados. Na noite da segunda, foram realizadas recoleta de amostras para realização do exame do tipo gota espessa, em pacientes que apresentaram sintomas suspeitos para doença de Chagas, quando foram confirmados mais 2 casos, totalizando 14 casos confirmados e 20 descartados.

Doença de Chagas

A doença de Chagas é uma doença infectoparasitária febril aguda que passou a ser uma preocupação a mais entre todas as doenças febris que se manifestam de maneira endêmica na Amazônia.

A doença de Chagas tem se apresentado em diversos surtos epidêmicos em locais distintos da Amazônia, se caracterizando por uma doença febril seguida por inchaços, edemas, sinais e sintomas de doenças cardíacas. O tratamento da doença é muito específico e deve ser realizado sob estrita orientação médica, para evitar que a doença evolua para a forma crônica, quando a doença passa a não ser curável.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias